Juizado realiza audiências de adolescentes em conflito com a lei por videoconferência

0
80

Na segunda-feira (1/6), o juiz Eliezer Fernandes Júnior, titular do Juizado da Infância e da Juventude Infracional do Tribunal de Justiça do Amazonas (JIJI-TJAM), deu início à realização de audiências de apresentação de adolescentes em conflito com a lei por meio de videoconferência. A iniciativa utiliza a plataforma emergencial de videoconferências para atos processuais recomendada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) – a Cisco Webex – e, segundo o magistrado, é uma forma de garantir os direitos de crianças e adolescentes.

“Todas vez que um adolescente que comete ato infracional é apreendido, a legislação estabelece que ele passe por um rito próprio, na presença de um juiz em, no máximo, 45 dias após a apreensão. Nesse procedimento, são observadas regras e princípios de direito processual como o contraditório e a ampla defesa, conforme estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente. Deste rito, que ocorre também na presença do promotor de justiça, do defensor público ou advogado e dos pais do adolescente, pode resultar a aplicação de medida socioeducativa. O problema é que com a pandemia da covid-19, o procedimento presencial ficou comprometido. Então, as apresentações por videoconferência vieram como uma forma de cumprir a lei e não expor os envolvidos nesse tipo de ato processual ao contágio pelo novo coronavírus”, destacou o magistrado.

Cinco audiências preliminares por videoconferência foram realizadas na segunda-feira. As autoridades, assim como os adolescentes apresentados, participaram do novo procedimento de forma remota. Entre os casos analisados, o de um adolescente acusado de infração análoga ao crime de roubo e que já tinha outras cinco passagens pelo Juizado Infracional. Ele teve o pedido de liberdade negado pelo magistrado e deve ser encaminhado para cumprir medida socioeducativa em um abrigo da capital.

Para quinta-feira (4/6), estão programadas novas audiências por videoconferência ancoradas pelo Juizado da Infância e Juventude Infracional. A nova rotina deve ser mais comum a partir de agora no Judiciário, até que ocorra a efetiva diminuição de casos do novo coronavírus, acrescentou o juiz Eliezer Fernandes Júnior.

“Mesmo com a flexibilização de algumas restrições de circulação, essa preocupação com medidas que possam reduzir os riscos de contágio deve ser mantida. O Judiciário está fazendo a sua parte e cada um tem papel fundamental para que possamos, o mais breve possível, voltar à normalidade.”

Em virtude da pandemia da covid-19, o Judiciário vem funcionando em regime de Plantão Extraordinário desde meados de março, quando foi necessário suspender o atendimento presencial nas unidades judiciais da capital e do interior. Com isso, sessões plenárias e audiências vêm sendo realizadas de forma virtual, com o auxílio de ferramentas tecnológicas, para reduzir o impacto provocado no andamento dos processos em virtude do distanciamento social recomendado pelas autoridades de sanitárias.

Compartilhe

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha carregando ...